Home / Notícias / Veja os 6 assuntos que podem ser tema da redação do Enem 2021
redação do Enem 2021

Veja os 6 assuntos que podem ser tema da redação do Enem 2021

Todos os anos, a redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é uma das principais preocupações dos estudantes que se preparam para a prova.

Afinal, a redação sozinha é responsável por garantir até mil pontos para aqueles que alcançarem a nota máxima.

Saber escrever bem é muito importante para conquistar esses pontos, mas não é o único fator para o sucesso. Além de respeitar as normas grEm 2020, por exemplo, o tema escolhido foi “o estigma associado às doenças mentais na sociedade brasileira”.

No ano anterior, 2019, por sua vez, o tema foi “a democratização do acesso ao cinema no Brasil”. E para este ano, quais assuntos podem ser cobrados dos estudantes na redação?

Para o professor de história Norton Nicolazzi Junior, a principal característica do tema da escrita é apresentar um problema da sociedade brasileira e pedir aos alunos que proponham soluções. “Por isso, é importante saber quais temas foram discutidos no país no ano passado e ler muito sobre cada um deles”.

Especialistas selecionaram alguns pontos que sugerem um estudo mais aprofundado do Enem 2021.

1 – Educação a Distância

A pandemia Covid-19 trouxe uma série de desafios para a educação brasileira. Um dos maiores problemas é o problema do ensino a distância, necessário para evitar a disseminação do coronavírus. Muitas escolas, principalmente da rede pública de ensino, não possuem a infraestrutura necessária para garantir o aprendizado de crianças e jovens.

Por outro lado, a maioria desses alunos não consegue acessar a Internet ou equipamentos de informática de alta qualidade para continuar seus estudos.

“Mesmo que a vacinação avance, esse assunto deve permanecer na pauta de discussão pública por algum tempo. Afinal, não é certo que esta seja a última pandemia que teremos nos próximos anos, por isso é necessário considerar o ensino ativo a distância ou estratégia de blended learning “, comentou Nicolazzi.

2 – Futuro dos monumentos históricos

Não só no Brasil, mas em todo o mundo, estátuas e outros monumentos homenageiam as mais diversas figuras históricas. Nos últimos anos, alguma sociedade civil começou a questionar alguns desses tributos. Por exemplo, muitos deles mencionaram os traficantes de escravos, o que aos olhos de muitos pensadores é como recompensá-los por todos os horrores que causaram na história.

Em São Paulo, uma estátua do pioneiro Manuel de Borba Gato foi queimada em protesto ao papel dessa figura histórica na construção do Brasil. O monumento foi inaugurado em 1963 para homenagear os pioneiros responsáveis ​​pela apreensão de terras e escravização de negros e indígenas nos séculos XVII e XVIII.

Recomenda-se a substituição destes monumentos por outros monumentos que sugiram figuras negras, mulheres e outras figuras importantes. A luta contra o racismo.

3. Evasão escolar

No Brasil, a evasão é um problema, que não é novo. Também não é a única causa da pandemia Covid-19. No entanto, muitos alunos acham que a dificuldade de se concentrar e usar a Internet de alta qualidade em salas de aula online agrava o processo de evasão.

De acordo com o estudo “Respondendo à Cultura do Fracasso Escolar” do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), 1,38 milhão de alunos de 6 a 17 anos abandonarão a escola em 2020, representando 3,8% do número total de jovens alunos .

Brasileiros em idade escolar. “A evasão é uma questão antiga, mas é muito óbvia durante a pandemia. Atualmente não há uma resposta correta para esta situação, o que pode levar a que este assunto seja acusado de quem aceitará o Enem”, disse Nicolazzi. É importante também entender a diferença entre evasão e evasão, para não se confundir no processo de construção do discurso.

4. Superexposição a meios digitais

acordo com pesquisa da App Annie Intelligence, o brasileiro passa em média 5,4 horas por dia em frente à tela do celular. O país ocupa o primeiro lugar no ranking mundial, seguido pela Indonésia e Índia (2ª e 3ª respectivamente). As consequências desse comportamento são muitas, desde danos à visão até o agravamento de doenças que afetam a saúde mental. Quando se trata de crianças e adolescentes, o problema é ainda mais grave. Além disso, quanto mais a tecnologia se desenvolve, maior a tendência de se passar cada vez mais tempo assistindo à mídia digital. Portanto, para os especialistas, esse também pode ser tema do Enem 2021.

5. Democratização do acesso a museus

De acordo com pesquisa da App Annie Intelligence, o brasileiro passa em média 5,4 horas por dia em frente à tela do celular. O país ocupa o primeiro lugar no ranking mundial, seguido pela Indonésia e Índia (2ª e 3ª respectivamente). As consequências desse comportamento são muitas, desde danos à visão até o agravamento de doenças que afetam a saúde mental. Quando se trata de crianças e adolescentes, o problema é ainda mais grave. Além disso, quanto mais a tecnologia se desenvolve, maior a tendência de se passar cada vez mais tempo assistindo à mídia digital. Portanto, para os especialistas, esse também pode ser tema do Enem 2021.

6. Crise Hídrica

Falta água e, consequentemente, energia elétrica no Brasil. Embora a crise hídrica esteja sendo mais comentada nos últimos meses, especialistas já alertavam há muito mais tempo que um cenário como esse poderia acontecer. As possíveis causas e as duras consequências desse problema são inúmeras. “Essa é uma reflexão que passa pelas mudanças climáticas, por estratégias dos órgãos públicos e também pela responsabilidade individual. Todos os ingredientes que costumam compor o tema da redação do Enem”, alertou Nicolazzi.